quarta-feira, 27 de março de 2013

o que vem por aí

O que vem mesmo por aí é a Páscoa com suas tentações (que duram meses aqui em casa), mas estou falando, naturalmente, de corrida.
É hora de treinar para os objetivos traçados. Isso significa que quem vai fazer Volta à Ilha tem que estar treinando umas subidinhas (minha rua é perfeita) e umas trilhas, quem vai fazer Desafrio em Urubici também, e quem está treinando para longas distâncias já deve estar aumentando o volume...
Isso é muito importante para treinar corretamente e com motivação. Quem quer fazer provas de 5km não vai fazer longões de 14km...
Para os próximos meses, temos:
- 14-04 - circuito brisas - só para meninas, em Itajaí, na Praia Brava, 5km e 10km;
20-04 – Volta à Ilha;
- 28-04 – Track and Field Beiramar 10km;
- 19-05 - Meia Maratona de Balneário Camboriú, podendo ser individual ou em dupla, e tem 5km;
- 26-05 - Blumenau 10k que também tem 5km;
- 09-06 – Meia de Floripa O2 com 10km e 5km (prova linda);
- 27- 06 - Bela Vista – 10km;
- 21-07 – Meia do Bela Vista – 21km e 6km;
- 28-07 – Track and Field Iguatemi – 10km e 5km.

Além disso, circuito Moutain Do com Canela, Santinho (individual a partir de agora), e Praia do Rosa, aventura total.
Fora de Santa Catarina, tem o Circuito Adidas, com 5km e 10km, em Curitiba, São Paulo, Rio... já falei sobre a prova, lindo kit, organização ótima, mas a prova em si é boa só para iniciantes, porque é muuuita gente, inclusive caminhantes...
Golden Four Asics, os 21km mais rápidos do Brasil, boa prova para tempo, todos dizem. Quero fazer ainda.
Ainda tem as provas noturnas pelo Brasil.
Tem calendário nas revistas de corrida, no Webrun, no Correr pelo Mundo...
Que delícia, quando eu leio esses calendários de prova dá vontade de ir em todas, e então me lembro que este ano tenho provas-alvo, e que vou manter meus objetivos, para poder saber se consigo alcançá-los.
No meio disso, no entanto, tem a parte de pura diversão e aproveitamento de viagem. Funciona assim: vai viajar? Procura uma prova de corrida para fazer lá, onde quer que seja.
Entrei em férias, e vou para Washington para um congresso de juízes do trabalho, oba! Depois NY. 
Fui procurar, e achei uma prova em Atlantic City: April Fools. Meia maratona, 11km e 7m (diferente, né?). É uma prova fora do circuito mais sério, tem gente que usa fantasia, é diversão. Nem tem feirinha... sniff... Mas esse ano foram tantos inscritos que alteraram a prova de 11km e 7km para sábado, mantendo a meia maratona para domingo, para não ter confusão, adorei.
Decidi fazer 11km, e o marido Péricles vai fazer 7km, estou achando o máximo!! (ele já esteve mais animado). Lá está frio, e é à beira-mar, acho que vai ventar, mas vai ser bom, e no final ganha uma cerveja!!!
Também está nos meus planos correr no Central Park em NY e em algum parque de Washington, não vejo a hora. Depois conto tudo.
Quem souber de provas legais, por favor, use o espaço do blog para divulgar!!!

quinta-feira, 14 de março de 2013

Corredores de rua...das ruas de Blumenau

Sim, está um calor africano. Aliás, estou começando a achar que na África as pessoas dizem: nossa, que calor, parece Blumenau!
Nunca a esteira foi tão fofa e simpática, lá no meio do ar condicionado, como nesses dias.
O problema é que as provas não são realizadas na esteira, e a maioria delas não é realizada sob a temperatura agradável de 19° a 23°. Então, quem quer participar de provas, tem que treinar na rua (sim, Tiago), não só para se acostumar com a temperatura, mas com o "piso", vento, atrito, resistência do ar, etc.
Quando eu li no facebook um dia desses que meu iron coach Everton correu  16km nesse calorão, achei ele suuuuuper queniano e corajoso. E só. Não deu inveja nem da disposição dele. A linda Michele correu 12km, esta semana, num dia de calor umido (vento não é algo conhecido aqui no verão), dureza.
Mas a Volta à Ilha vem aí, e normalmente faz calor no dia (ano passado choveu, delícia, mas foi exceção), posso ter que correr meio dia, tudo pode acontecer.
De manhã eu já acho calor desde as 7h, e antes disso não consigo ir, tenho o meu filho, movimentação da casa, e muita preguiça. Mas já estou voltando aos planos de  correr pelas 08h, 09h, para retomar o costume de correr no sol.
Em um sabado de manhã, minha planilha era de 12km, tive uma "boa ideia", como diz meu pequeno: fui correndo de casa até a academia Formula, deram 6km como morro e terreno variado (bota variado nisso), e lá terminei, no fresquinho...o melhor era a meta, que dava uma animada: faltam 4km para o ar condicionado...faltam 3km...faltam 2km...falta 1km...e finalmente apenas a subida do estacionamento me separava do ar condicionado...loooonga subida...
Muito bem, correr de manhã, solzinho, mais fácil ficar ligada no caminho.
Na quarta-feira de cinzas, no entanto, recem retomando os treinos serios, cheia de culpa no coração, cheguei em Blumenau, calcei os tenis e fui correr na rua, em torno das 19h45min. Calor, sim, mas sem sol é outra coisa.
Saí da minha casa, rua do tipo treino em subidas, e fui em direção à rua Benjamin Constant, a rua principal do bairro.
Que coisa horrível! O desrespeito ao pedestre beira o deboche!
Quando o Arthur era bebê, eu preferia colocar o carrinho no carro e ir até o parque  com ele, desmonta-lo e passear lá, porque era inviável passear nas redondezas da minha casa com o carrinho.
Trechos sem calçadas, muitos, e calçadas quebradas, com desniveis, calçadas só de cimento, com marcas de pisadas, sem acabamento, um horror.
Cheguei à conclusão de que dono de terreno sem edificação, em Blumenau, não precisa fazer calçada. Só pode ser isso para explicar a situação caótica, pelo menos onde eu passo.
Calçada é urbanização, e não combina com Blumenau esse descaso. Parecem duas cidades, a do centro, da rua Quinze, toda bonitinha, parecendo mini Europa, e a dos bairros, para o cidadão comum.
Mas enfim, caminhar, de dia, ainda é mais fácil, voce desvia do que é ruim, foi o que fiz correndo de manhã.
E correr à noite? Ah,sim, na rua Benjamin há postes com a lampada queimada, ou só apagados mesmo, então voce corre no escuro na calçada esburacada.
É muito tenso correr assim.
Quando eu vou pela rua Bahia, há vários trechos sem calçada, e sou obrigada a correr na rua, vejo inúmeros pedestres, pessoas com idade avançada, tendo que se arriscar.
Fui correr sem música, porque sozinha, à noite, acho mais prudente. Deu nisso, fiquei prestando atenção e pensando. Esse negocio de loira pensar...
E imaginei a vida de um cadeirante. Depois que ele salta do ônibus que está preparado para ele, como ele chega até o seu destino? sinceramente, não sei.
Onde há obras (ou seja, por tudo), então, parece que a placa avisando das obras exime de qualquer traço de civilidade mínima. É barro, areia, buraco.
Não sei como não torci o pé nem tropecei, mas eu estava praticando esporte, alguns até vão dizer que eu podia ter ido para o parque Ramiro, e é verdade mesmo, podia ficar lá como um ramster na rodinha, dando 10 voltas na pista...mas e quem só quer ir de um lugar a outro, a pé?
Enfim, fui até a rua Teodoro (só na frente da  Unimed a calçada é boa),  e subi pelo lado em que estava, o que se mostrou inviável a partir de certo trecho, atravessei e fui pela ciclovia até o posto de gasolina, e voltei.
Foram 8km, mas pareceram muitos mais, não só pelos aclives do percurso (o trecho tem poucas áreas planas), mas pela tensão de correr olhando para o chão. A única rua com as calçadas bem arrumadinhas é a minha, felizmente. Parabéns aos vizinhos.
Ao final, me dei conta que para correr em Blumenau, que é uma boa cidade,  na rua, voce tem pouquíssimas opções seguras em várias acepções da palavra.
No anel viário não tenho coragem de ir à noite, e mesmo de dia, tem que ser bem cedinho, por causa do calor aumentado pelos caminhões que passam e a falta de sombra, e de preferência acompanhada. Ah, sim, cuidado com as calçadas que despencaram, voce pode ir direto para o rio.
Buraco quente: adoro, é o atalho para a BR 470, mas sozinha também não é seguro. Tem poucos trechos com calçada, mas o asfalto é bom, tem subidas médias,  tem que ir no final de semana, com pouco movimento.
Rua Hermann Huscher, graças à ciclovia que temos que invadir (sorry, ciclistas), é ótima, apesar da pouca extensão (em torno de 4km da esquina da Alameda com a Rua Sete até o trevo do Zendron), e ainda é mais fresquinha, por conta das árvores e proximidade do rio.
E é isso. Rua Amazonas eu já tentei, muita poluição e um calorão, o mesmo acontecendo na rua Sete e na Rua São Paulo, salvo nos finais de semana.
Correr na Beira Rio poderia ser bom, mas aquele calçamento é um perigo (é, é bonitinho...), e o trecho é curto.
Em resumo, voce tem que ser muito criativo para correr um percurso razoável em Blumenau em segurança e com relativo conforto.
Agora temos um prefeito jovem e que corre. Eu já encontrei com ele em provas, a última foi há duas semanas,  e sei que ele preza pelos exercícios físicos.
Fica o convite para  dar uma voltinha a pé, aqui, pela Vila Nova, Escola Agrícola, e tenho certeza de que ele vai se sensibilizar.
E como não combina comigo só reclamar, bora para a esteira fazer um treininho de tiros!!!




domingo, 3 de março de 2013

Confraternização noturna de corredores de Blumenau

Foi assim a 1ª Corrida Noturna de Blumenau, organizada pela Fundação Municipal de Desportos, no dia 27, quarta feira.
Pelo que eu soube, o número de inscritos foi bem além do esperado. Ótimo!
Foram ótimas as ideias de: fazer a corrida noturna, em dia de semana e de apenas 5km.
Eu acho 5km uma distância muito democrática, porque atrai iniciantes, avançados (que gostam de provas rápidas ou querem treinar), jovens, menos jovens...
Fazer à noite é a melhor opção nessa época do ano, porque às oito da manhã já é muito quente. São Pedro ajudou, a temperatura estava perfeita, tinha até uma brisa (também não dá para chamar de vento...), e caiu  uma chuvinha antes da prova começar. Durante a prova e após, na premiação, não choveu.
Várias pessoas comentaram comigo que gostaram do fato de ser em dia da semana, porque nem todos podem no domingo, é dia de compromissos familiares, fora o cansaço acumulado e a função de acordar seis da manhã e preparar tudo, alimentação, hidratação, etc.
Quanto ao percurso, confesso que quando foi anunciado fiquei um pouco desconfiada, porque não é segredo que não gosto de dar duas voltas no mesmo trecho para completar o percurso, e acho que para 5km dá para tentar uma rota de uma volta só.
Mas no final gostei, e entendi os motivos da escolha. O percurso era plano, asfaltado, e em área iluminada. Sendo um trecho pequeno, pouca alteração do trânsito foi necessária, menos  fiscais e orientadores da prova, menor tumulto...com isso, inscrições mais baratas e facilidade em ter apoio do público que não foi correr e circula pela região.
Também foi muito legal a chegada bem no centro do parque, super iluminado.
Digo que foi uma confraternização porque foi um evento com muitas equipes e assessorias,  conhecidos que correm estavam lá, uma delicia encontrar o pessoal que nem sempre encontramos em provas realizadas em outras cidades.
O prefeito Napoleão estava lá, foi correr, com o meu amigo Andrigo fazendo pace para ele. Excelente. Ele é jovem, fica um exemplo para os cidadãos da importância de praticar exercícios e ainda prestigia a gente.
Claro que nenhuma prova é perfeita, mas para o primeiro evento do tipo na cidade, que não era para ser nada magnânimo mesmo, a Fundação está de parabens, movimentou o pessoal.
Pois então, não tinha cronometragem por chip. Minha opinião é de que o chip é fundamental nas provas atualmente. Pode encarecer um pouquinho, mas vale o preço. A largada estava beeem confusa, muita gente, e sem chip, fica o tempo bruto, ou seja, só quem larga lá na frente (elite e metidos a ela) terá seu tempo corretamente computado. Quem larga mais atrás, mesmo ultrapassando o máximo possível até a largada oficial, já está com tempo contando, e será prejudicado ao final. Tempo líquido para premiação é importante, inclusive para motivar o corredor. Sinceramente, não consegui saber exatamente a partir de onde larguei oficialmente.
Houve comentários de que o percurso não dava 5km. No meu garmin deu uma diferença de 60metros,  acho que é o desvio padrão, considerando que a medição é feita pelo percurso em linha reta e com as curvas abertas, e quando estamos correndo, vamos beeem para o cantinho para ganhar um espaço.
Esse negócio de deixar retirar o número até uns minutos antes da prova é simpático, especialmente porque a prova era em dia de semana, mas acaba atrasando um pouquinho a largada, não tem jeito. O atraso foi pouco, nada que comprometesse.
Pelo valor da inscrição, claro que não dava para ter kit, nem era esperado. Se virar uma prova mensal, ou bimestral, acho que dá para aumentar um pouquinho o valor, buscar um patrocínio, e quem sabe entregar uma camiseta de cor diferente a cada edição, ou uma camiseta para quem correr todas as edições...fica a dica.
Mas volto à questão do chip. A premiação não foi rapida como os organizadores gostariam, porque é claro que dá trabalho ficar lá procurando os vencedores de cada categoria, masculino e feminino. Aí chama no pódio, entrega, clap clap, fotos...e todos os masculinos primeiro e depois o feminino, deu até uma tristeza. Alguma categoria masculina deu problema, pararam, iniciaram a premiação feminina, e quando olhei no relógio já eram mais de nove e meia da noite.
Para mim estava tudo ótimo. Meu objetivo era exatamente confraternizar e correr com gente conhecida que fazia tempo que eu não encontrava, e fui para ser feliz, for fun, como diz o Everton. A ideia não era acelerar, acabei de retomar os treinos seriamente, tenho que ser mais seletiva nas provas em que vou dar o meu melhor.
Meu objetivo era fazer pace de 5', relax. Quando cheguei, encontrei o Ruy, amigo querido que está correndo muito, e a Fabi, da Wellness (top da categoria), e largamos juntos, astral bom.
E estava tão agradável, eu estava me sentindo bem como há tempos não sentia em uma prova (claro, era sem pressão), acabei apurando um pouquinho, e acabei em 23'40" no meu garmin, ou seja, contando lááá de trás. Nenhum tempão, mas pace de 4'45", e o melhor, sem esforço, ou, como disse o Daniel Oliveira, "sobrando".
Ainda assim, valeu o trofeu de primeiro lugar na categoria, oba!! Primeiro do ano, feliz feliz!! Mesmo dizendo que não dou bola, aiai, na hora que ganho é bom demais!
Pena que foi tarde a premiação, as outras premiadas da categoria já não estavam mais, fiquei muito sem jeito sozinha no pódio.
Para terminar este assunto, premiação por categoria é tudo de bom, viva a Fundação! Estimula todos os corredores. Hoje em dia, um rapaz de 16, 17 anos, faz um tempo numa prova de 5km que não tem como alguém com mais de trinta competir, e quem é do ramo sabe que tem gente competititva em todas as idades.
Uma coisa é aceitar a idade, claro que não é tão veloz, mas nem por isso os atletas mais velhos precisam se sentir excluídos de premiações. Então, para mim, a premiação por categoria somou muitos pontos. E não é porque eu ganhei, dessa vez eu não fui para isso. Fiquei mais feliz vendo o senhor de mais de 70 subindo ao pódio. Isso motiva qualquer um a correr para sempre.