E hoje, a segunda da série de people que corre maratona. A opiniões dela não são tão emocionais, porque ela é...A PROFISSIONAL!!
Simone Ponte Ferraz nasceu na cidade de Ponte Serrada e foi para Jaraguá do Sul na adolescência. Virou a rainha da pista, correndo 1500, 3000, 5000 e 10000 e ganhando muitos trofeus. Está em quase todos os pódios das corridas em SC (normalmente não está nos que ela não correu) .
Também tratou de se formar em educação física para ser treinadora e tem a SPF Running, em Jaraguá, que é uma assessoria de corrida e centro esportivo. 
Só que um belo dia ela mudou. Quando eu vi, ela estava lá, em Floripa, correndo a maratona. Eu fiquei super emocionada, embora confusa, kkk, mas adoro ver a Simone chegar,  e nas provas que assisti, que foram mais meia maratonas, geralmente em primeiro, muuuuito na frente das seguintes. 
Eu a conheci porque ela era treinadora e corria com um casal de amigos que adoro, que na época moravam em Jaraguá. Ia ter prova no domingo, e jantamos todos juntos no sábado, e logo nos entendemos, eu e Simone. Alto astral e muito querida, hoje nosso contato é pequeno, mas ela sabe da minha torcida pelo seu sucesso e acho que ela também torce por mim, que pretendo resultados bem diferentes dos dela, naturalmente. 
Lembrem-se que aqui conversamos sobre tudo e deixamos o entrevistado à vontade. O que a pessoa diz não reflete a minha opinião, necessariamente. 
Adoro essa foto, correr com o pessoal da polícia do lado não é para todos...
Vamos ver o que ela tem para nos contar sobre sua experiência? Aproveitem as dicas, não são para profissional só, não!!


1.      O que definiu ou deu a ideia de migrar para longa distância depois de uma carreira bem sucedida de fundista e meio-fundista?
Em 2014 tive uma mudança de clube e mudei de Jaraguá do Sul, equipe que representava por 8 anos, para Blumenau, e lá conheci um novo treinador o qual viu minha garra e força nos treinos e falou que eu seria maratonista, então pouco a pouco ele foi me conquistando e colocando mais volume nos meus treinamentos e naturalmente eu fui evoluindo e me encontrei nas provas de longa distância.
Lá vai a metida, nota da entrevistadora: eu acho que sei de quem ela está falando, e achei o máximo o que ela contou. Impressionante como tem técnico que consegue ver o teu melhor, o teu potencial, mesmo quando você está fazendo algo completamente diferente daquilo, né? E confiança é tudo. 

2. Como alguém que corria 1500m  3000,  5000, em pista e em velocidade de campeã,   segura a ansiedade ao correr 42km? (essa pergunta é porque eu tenho uma sensação horrível de que não tenho paciência para correr maratona...)
Correr uma maratona é muito fácil, duro é a preparação para maratona, treino longos e volumosos, tiros e mais tiros, treinar 2 períodos todos os dias, estar sempre superando o cansaço físico e mental. Hoje sou mais feliz treinando para maratona pois faço apenas treinos no ritmo exemplo 10 x 1000 m para 3:30, antes eu fazia 10 x 300 m para 49 segundos , hoje treino mais volume e menos intensidade e antes era mais intensidade então eu tinha muitas dores musculares, hoje eu apenas sinto o cansaço, que é normal, e como eu tenho uma boa suplementação e descanso no outro dia estou recuperada. No dia da prova eu tento respeitar o ritmo, o meu relógio é o meu guia, porém as vezes a gente extrapola e depois paga o preço. Rezo bastante durante os 42 km assim controlo minha ansiedade.
nota da entrevistadora: treino de ritmo para 3:30 hahahahaha. Alguém mais se identifica? Eu não.

3. Qual a parte mais legal de correr maratona?
Cruzar a linha de chegada, não tem preço e emoção maior. Pois colocamos nosso corpo ao extremo e ele está ali firme e forte cruzando mais uma linda de chegada, as pessoas que torcem por vc estão ali te aplaudindo é muito gratificante. 
Nota da entrevistadora: Imagino que dê um arrepio diferente mesmo. Vi foto da Fabiane Pessi chegando e uma amiga com um cartaz...amei. 

4. Qual a pior parte?
Dos 25 km aos 30 km é uma fase que falta muito chão pela frente e nessa hora é onde o cansaço bate, é normalmente onde eu saio do meu ritmo, quando eu acertar essa parte da prova farei um baita tempo.

5. Qual você considera sua melhor maratona até agora? Foi a que você teve seu melhor tempo? (ou não necessariamente, pode ter sido a que teve melhor colocação, ou a que se sentiu melhor, ou...)
 Minha melhor prova foi a minha primeira maratona de Florianópolis em 2015 quando eu fui desclassificada injustamente, fui confundida com outra atleta que tomou água fora do percurso e isso é ajuda externa, recorri no dia da prova mas não tive sucesso. 
Essa maratona foi perfeita pois eu não sabia como eu ia correr, em que ritmo, eu simplesmente larguei com o pelotão de elite e fui indo junto, de repente uma atleta saiu do pelotão e foi embora , no km 30 eu fiz a mesma coisa fui embora, e no km 35 eu repetia baixinho eu vou pegar a primeira colocada eu vou pegar, e no então do km 41 para o 42 eu dei um belo sprint e venci a Maratona Internacional de Florianópolis, eu ainda comemorava quando fui acusada ter recebido ajuda externa, o que não é verdade, porém me descabelei, chorei e resolvi partir pra próxima que foi a Maratona Internacional de São Paulo em 2016 onde eu fui quinta colocada geral e segunda melhor brasileira, como uma organização impecável a YESCOM é na minha opinião a maior empresa organizadora de corridas do Brasil, o tratamento com o atleta é fora de sério, e lá não existe injustiças. Maratona de Florianópolis e provas da LATIN Sport nunca mais.
Nota da entrevistadora: Ai que triste isso de ser desclassificada. Eu lembro bem, porque eu vi a chegada da Simone, e depois no resultado na internet não era ela. Se a gente sofre se for desclassificada, imagina uma profissional, em primeiro? Gente, fica a dica, ajuda externa pode virar um problema sério. Ninguém dá bola para os amadores, mas em prova que tem premiação por categoria, e tal, se alguém denuncia...Mas  a Simone superou isso e depois já a vi tão bem...vejam a foto que escolhi, ali em cima e aqui, da Maratona De Porto Alegre deste ano, a mesma que a Sabine correu!!


6. Você mudou sua composição corporal ao decidir treinar ou treinando para maratona? 
Aconteceu naturalmente, fui treinando e conseqüentemente perdendo peso, faço acompanhamento nutricional por questões de saúde, para que minhas vitaminas e minerais estejam em dia e eu tenha força e disposição para treinar. Porém, como de tudo com  moderação, e de segunda a sábado os hábitos saudáveis prevalecem.
Nota da entrevistadora: sempre percebi a Simone como sendo forte, sem o perfil que se imagina de uma maratonista típica. Ela não tem dois gambitos como pernas, tem coxa, tem corpo. Então adorei perceber que com treinamento e disciplina, a gente pode vencer essa barreira genética, que não é determinante a tal ponto. A parte do "moderação", minhas leitoras e leitores...ah esse que é o fator complicador da parada toda, né? Até ela tem o dia livre, pelo que percebi, o domingo (não digo mais dia do lixo porque não como lixo, só como o que não faz parte da dieta habitual).




Comentários

  1. Caramba.. 3:30 ...1k x 10...nem na esteira e com ar condicionado..rsrs.. Parabéns Simone pela garra e superação. Muito legal a foto com a escolta da polícia...realmente é para poucos.

    Abraços
    Marcelo
    www.corramais.blogspot com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Vamos estrear com uma manezinha de Floripa: a rápida e consistente Gabriela Paula

Hoje é dia da maratonista amadora experiente: Kerly Santos

Periodização da corrida - Guest Post by Grazi Evangelista