Encerrando da melhor maneira: aprendendo muito com a linda alma de Patrícia Kern Hardt

Depois de lerem o que a Patrícia tem a nos ensinar, verão que não há muito mais o que dizer sobre ela. Pessoalmente, digo que o casal Patrícia e Denis Hardt é simplesmente sensacional, e eu tive muita sorte em conhecê-los. São generosos, resilientes, otimistas, acreditam na causa das Mulheres que Correm, e basicamente, se não fosse o Denis e as Lojas Hardt/Hardt Sports, os Treinos MQC nãos teriam sido o que foram até agora. Eu já tinha contato com o Denis quando soube que a Patrícia estava doente, mas acho que eu e ela só tínhamos nos visto algumas vezes. Passei a acompanhar a evolução rumo à cura conversando mais com ele, enquanto eu rezava, e pude perceber o quão forte ela é. Depois do tratamento nos encontramos e eu só confirmei o que já percebia, que, ainda por cima, há muita alegria no viver. 
Então, sem mais delongas, vamos encerrar essa série de entrevistas com mais uma mulher incrível. Emocionem-se comigo. Com vocês, Patrícia Kern Hardt. 


Patrícia mostrando que corrida não é solidão!


1. Você corria antes de ter câncer? E depois, o que te levou a correr, ou voltar a correr?

  Eu nunca fui atleta, nem sequer gostava muito de praticar esportes, mas em 2013, meu marido e eu abrimos uma Loja especializada em artigos para corrida e caminhada  a primeira do estado de SC). É muito difícil não sentir a energia que a corrida transmite!Então comecei a correr. Mas nunca fui muito aplicada nos treinos e por algumas vezes desisti.
Nota: vejam, às vezes não é na primeira vez que a gente gosta...


2. Durante o tratamento, pôde correr? quanto tempo levou? O médico recomendou ou teve restrições?

Meu tratamento demorou 7 meses, entre a mastectomia bilateral radical e os 16 ciclos de quimioterapia, 4 meses após a cirurgia os médicos liberaram para a correr. Mas eu ainda não estava acostumada com as próteses e tinha muito receio, correr doia um pouco e causava uma sensação estranha, as vezes eu vestia dois tops pra ver se melhorava, mas ainda assim era bastante incômodo. O que eu fazia todos os dias era 1 hora de atividades no elíptico ou caminhada na esteira, além do pilates 1x na semana.
Nota: mesmo que não seja correr, escolher atividades para se movimentar é muito importante na fase de tratamento.


3. Qual a maior dificuldade em fazer exercicios durante o tratamento ou o pós operatório? 

Após fazer a quimioterapia vermelha, eu precisava de 3 a 5 dias pra me recuperar e aí sim eu conseguia fazer exercícios. A maior dificuldade pra mim era a fadiga oncológica causada pelos medicamentos usados na quimio. É um cansaço imenso, que só com muita força de vontade e disciplina eu conseguia vencer.
 É importante enfatizar que os exercícios ajudam a diminuir essa fadiga, melhoram muito a imunidade (nas quimios brancas, que foram 12 e toda semana, eu atrasei só uma vez por conta da imunidade baixa), ajudam as unhas a não cair tanto, diminuem o aparecimento das neuropatias periféricas (dores e formigamentos nas pontas dos dedos das mãos e dos pés) e não nos deixam engordar, sim, engordar!!! O tratamento que eu fiz engorda, pois temos que tomar corticóides. Eu eliminei 9 quilos, cuidando da alimentação e fazendo atividade física.
Exercício regular é tudo de bom mesmooooo! O que eu sempre digo? me sinto menos cansada do meu dia depois de correr ou de fazer outro exercício. Porque a gente ativa as endorfinas todas, tudo melhora. Mas força de vontade é tudo, tem que vir de dentro. Outras infecções exigem corticóide, ele incha a pessoa mesmo.


4. As pessoas que você conheceu na corrida foram importantes na fase de tratamento contra a doença?

Eu tive muito apoio de pessoas queridas que eram amigos, outros que eu nem conhecia. Foi maravilhoso receber tanto carinho, orações e energia boa. Foi muito importante para o sucesso do meu tratamento, sou muito grata a Deus pela existência de todos!
Patrícia, TMJ!


5. O que mudou em você como corredora após ter câncer?

Com certeza a determinação nos treinos! Hoje além de me fazer sentir muito bem, eu tenho certeza que é essencial para manter a minha saúde.
Você ai, no sofá, que não  ficou doente nem nada, fica ligada, pode começar já!


6. Há algo que você gostaria de compartilhar com outras mulheres e com homens tb, sobre o momento em que você descobriu o câncer?

O que eu tenho a dizer sobre esse momento, é que ele realmente é uma das piores notícias que podemos receber! Nunca passou pela minha cabeça que eu pudesse um dia ter câncer. 
Mas aconteceu e passou. A palavra câncer ainda está muito atrelada a morte, e hoje não é mais assim! 
Câncer não é contagioso!
Câncer não é castigo!
Câncer não é mágoa acumulada!
Câncer tem cura!
Existe uma vida linda pra ser vivida...passando pelo câncer ou não!

Obrigada por compartilhar, Patrícia, esse final já pode ajudar muita gente!
Mas não é só, pessoal, a Patrícia ainda tem a mensagem abaixo para nós, adaptada do que ela escreveu para uma apresentação artística de uma prima. Para que a gente pare de reclamar e criar problemas que não existem, e focar com a atenção necessária (e apenas essa) nos que existem, pensando sempre para frente,  resgatando quem a gente é, e melhorando para quem a gente quer ser realmente.O recado é para todas as mulheres, porque a verdade é que a gente sempre acha que dá conta de tudo e um pouco mais, e que tudo bem se não for ao médico na época certa, vai dar bom igual depois, pode dormir depois, se arrumar depois...e não é bem assim. E como sei que felizmente tenho leitores homens do blog, fica a dica para quando perceberem que as namoradas, esposas, mães, filhas, estão passando do ponto e abandonando a si mesmas por todos os compromissos que foram sendo absorvidos. 


Dentro do meu coração, tenho a certeza que a aceitação e a busca por uma grande reforma íntima são as grandes sacadas. Através disso consegui superar o câncer. Encarar o tratamento com a certeza de que passar por ele me traria a cura, me fez ter força pra enfrentar tudo. Eu escolhi viver... e viver de uma maneira melhor, saíndo do automático, ou seja, estando presente de verdade em cada instante da minha vida!
Desde o começo, eu aceitei o câncer, eu não me revoltei, eu me resignei, eu me ressignifiquei e fiz o que precisava ser feito. Não quero dizer que devemos sempre aceitar tudo com postura de vítima, ou baixar a cabeça e ficar somente esperando os milagres. Penso que é muito melhor baixar a cabeça, olhar pra dentro e melhorar o que precisa ser melhorado, evoluir como alma e ser uma pessoa melhor pra esse mundo!
Eu encarei tudo como um recado de Deus, o câncer foi a forma que ele encontrou de me dizer: - Filha, agora você vai ter que parar um pouquinho! Não trabalhar tanto, cuidar mais de você, se conhecer, vigiar pensamentos, palavras e atitudes, parar de achar que é a Mulher Maravilha, parar de achar que tem que dar conta de tudo, parar de querer ter sempre razão, ser mais feliz, amar mais, dar valor as pequenas coisas, confiar e acreditar mais. Eu vou te dar mais uma chance, mas agora você terá que fazer sua parte com muito mais interesse e profundidade.
O apoio do meu marido, sem sombra de dúvidas, foi e ainda é o que mais me dá forças! Outras coisas me ajudaram muito durante essa longa caminhada, a primeira foi o blog Das coisas que tenho aprendido, da Patricia Figueredo, mesma página no face, a partir daí, estudei um zilhão de coisas, plantas, chakras, nova medicina germânica, terapia de gerson, mantras, espiritualidade livre, coaching, entre outras. Muitas vezes nada ajudava, eu só queria ficar na minha cama sem pensar em nada, esperando o tempo passar pra eu ficar melhor, outras vezes eu cantava e o Denis tocava violão, ou colocava uma aula de zumba no youtube e ficava pulando igual uma louca na frente da televisão pra ver se saía de mim toda aquela nhaca da quimio, kkkkkk. Agora eu acho engraçado quando me lembro! Mas foi punk!
O que eu não deixei de fazer foi atividade física!! Isso é essencial e eu não abro mão. Hoje voltei a correr e me sinto muito feliz e realizada com isso!
Tudo foi muito difícil! Mas passa... Como tudo na vida!! Talvez o glamour e a poesia estejam na descoberta de que nada é fixo e permanente, que tudo está em constante transformação, que quanto mais nós olhamos para dentro e tentamos curar nossas inferioridades, mais perto chegamos da nossa verdadeira essência!
Eu precisei me desconstruir, me desmoronar, quase que me desmanchar (afinal caem cabelos, pelos, cílios, sobrancelhas, unhas e músculos), para poder me reconstruir, de uma nova forma, o que acontece ainda hoje, pois em muitas situações as inferioridades ainda insistem em vir a tona, afinal somos humanos!!!Mas aí a gente para, medita,toma um puxão de orelha aqui outro ali, tenta consertar e continua.
Eu estou aprendendo a me amar
Eu estou aprendendo a me perdoar
Eu percebi que eu posso encontrar Deus em cada raio de sol que aparece no amanhecer
Eu percebi que eu sei respirar e que eu posso pirar sempre que eu quiser
Eu consegui encontrar milhões de coisas para agradecer
Eu consegui me dedicar mais as amizades
Eu desejo sentir amor por tudo e por todos!!
E sempre está tudo bem... o momento perfeito é agora!!

Chorei lendo de novo. E vocês? bora acordar?!

Com o queridão do Denis!





Comentários

  1. Que linda a sua Superação! Orgulho imenso de você! Gratidão pela homenagem! Me sinto privilegiada por ter te ajudado na sua Jornada! #TamusJuntas
    Beijos no seu coração!
    Paty

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A história de alguém fora do grupo de risco: de amiga de infância a coleguinha na corrida, com vocês a meiguice da Priscila Leite!

E para fechar com chave de ouro, quem eu quero ser quando crescer...Carol Sena!!

Gente como a gente, em busca do seu melhor: Ana Paula Martins e sua alegria!!