Mais duas opções de performance: 361° Chaser e Olympikus Rio 4

Também ganhei para experimentar o Chaser, modelo totalmente diferente do KgM2. Parece-me, inclusive, que este tem sido utilizado pela Simone Ponte Ferraz, entre outros atletas que conheço pessoalmente (e que são bem, bem rápidos), como tênis de provas. 
Na prova Itajaí Flash Run, em dezembro, noturna, eu vi a Stefanie,  top da Fundação Municipal de Esportes de BC e treinada pelo Diogo e pela Daia Gamboa, ganhar a prova de 5km usando esse tênis (falta só eu ser ela hahahahaha), correndo como uma linda deusa africana. Fiquei realmente encantada.
É um tênis leve. Na verdade, levíssimo. Demais para a insustentável leveza do meu ser (citando autor que adoro, Milan Kundera, totalmente fora do contexto dele, devo dizer). O que quero dizer com isso? Que me senti pesada para ele, o que definitivamente não aconteceria com a Stefanie. 
Usei para fazer alguns treinos de tiros, inicialmente, e um regenerativo. Nos treinos de velocidade, até me senti bem. Ele é super ventilado, confortável nos pés, não aperta nas laterais nem na frente, a lingueta é ultrafina, não pesa nem abafa, e incrivelmente não saiu do lugar. A palmilha ficou firme sem ser incômoda. 


Achei o design interessante, essas cores a lá Romero Brito deram uma alegria. 
Para mim, a principal qualidade foi a leveza e a sensação nos pés de nenhum aperto. Masssss, não é um tênis gostosinho nos pés, não abraça como o KgM2. É mais duro, e isso da malha ser leve, realmente não dá sensação de que está firme o tênis. Na verdade, no meu caso, não estava mesmo, tive que parar para amarrar mais de uma vez. Depois aprendi que tenho que começar o treino com ele amarrado apertado, porque vai cedendo. Não sei se é um bom tênis para usar sem meias, ele é larguinho nas laterais, pode acabar roçando. 
O modelo é de tamanho normal, usei o 38 e deu certo (naturalmente, um 37,5 seria perfeito).
Embora o drop seja de 8,5mm,  a sensação nos pés é de um drop bem mais baixo, acho que pelo tipo de sola e porque é leve mesmo, 175gr.
Só que não tive coragem de fazer prova com ele, não me senti segura. Em compensação, para treinos na praia é o meu eleito para sempre, justamente porque é flexível e mega leve, além de fácil de limpar. O que eu não posso dizer ainda é sobre a durabilidade, usei pouco e apesar da indicação para provas até 21km, acho que só quem é bem leve e acostumado a tênis desse tipo dá conta. Eu usaria até 10km rápidos. O preço é bem acessivel,embora lançado com R$ 450,00, vi em sites valores de até de R$ 250,00, o que realmente para tênis de corrida hoje em dia é barato. Tênis de competição nunca é para durar muito.
Sobre o Olympikus Rio 4, o que dizer? eu não costumo comprar tênis por impulso, no sentido de escolher pela beleza ou pelo momento. Compro, sim, por impulso, tênis que já conheço e uso e aparece em promoção, assim, subitamente na tela do computador (porque a maturidade aqui é difícil). 
Só que estava na feira da maratona do Rio em 2016, que era praticamente da patrocinadora Olympikus, e tinha esse modelo de lançamento. E como o preço era realmente convidativo (R$ 250,00), calcei o modelo, achei tão leve e gostoso nos pés, bonito, confortável, quando vi, já estava pagando. 
Mas na hora de correr...
Bom, o cabedal dele de tela é realmente leve, não dá calor nenhum nos pés, o piso é de fato antiderrapante, e é leve, 240gr segundo o fabricante, mas parece até ter menos. Quando fui usar, percebi que deveria ter comprado um tamanho menor. A forma dele é grande, o 38 ficou sobrando demais, mesmo com os pés inchados, especialmente na parte lateral. 
E embora em todas as descrições do modelo esteja como tênis com propulsão, eu, particularmente, não senti assim. Achei que ele não sai do chão, sabe? Talvez seja questão realmente de gosto, o Kinvara, embora de competição e leve, é totalmente diferente, te impulsiona, e me acostumei com isso. Tem gente que não gosta, que prefere sentir o pé no chão, e aí o Rio 4 é bom. 
No final das contas, eu usei uma vez para correr, não me senti segura, fiquei com medo de lesionar pela sensação de impacto, e acabo usando sempre como tênis de academia, para musculação, elíptico...Não acho um desperdício exatamente porque o valor é muito em conta, e eu adoro ter um modelo comemorativo do evento (meu sonho é ter um desses das majors), comprado em primeira mão. Mas eu não confiaria para correr os 42km com ele, no máximo os 10km da nova versão da prova (no lugar dos 6km da run family). 
Então, se você procura modelos mais em conta para treinos de velocidade e provas curtas, são boas opções. Também considero uma boa para quem está correndo há pouco tempo, é leve (não apenas de espírito...) e ainda não quer investir muito sem saber se vai gostar de distâncias maiores. 
Beijos e até a Adidas!





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história de alguém fora do grupo de risco: de amiga de infância a coleguinha na corrida, com vocês a meiguice da Priscila Leite!

E para fechar com chave de ouro, quem eu quero ser quando crescer...Carol Sena!!

Gente como a gente, em busca do seu melhor: Ana Paula Martins e sua alegria!!